Tudo faz sentido

A Ariadne de Verissimo liberava gradualmente capítulos de um diário suicida imerso em pecados íntimos. Cada pecado acrescentava um metro ao fio dessa Ariadne às avessas, Ariadne que atraía para dentro do labirinto, para o encontro do Minotauro.

Surpresa.

A profundidade de Ariadne surpreende é na rasidão.

Segredo.

Não há profundidade alguma. Não há suicídio. Não há autobiografia.

Os pecados íntimos do suposto diário de Ariadne são, na verdade, milhares de trechos de Sylvia Plath. As verdades existem; só são verdades de outra pessoa. Acontece.

Poemas de Sylvia Plath foram traduzidos por Ana cristina César. Roberto adora Ana C., e foi através dele que eu a conheci.

Tudo faz sentido.

A gente sempre acha que é Fernando Pessoa. (Ana C.)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s